Colecionando significados

Li não lembro onde sobre um escritor que, sabendo que a morte estava próxima, quis se despedir das árvores do jardim pois muito em breve não as veria mais. Outro dia travei com uma amiga um debate via whatsapp sobre isso ou quase isso; me falava a respeito de concluir desenhos e o novo projeto de guardá-los bonitinhos em um Tumblr (a necessidade do “autoral”), dias depois sobre especialização em joalheria e curso de artes africanas, tudo com uma paixão tão intensa que usei o exemplo do escritor com as árvores. O pesar mais angustiante de reconhecer a própria finitude talvez seja o de dizer adeus para uma coleção de significados. Numa perspectiva positiva, eu diria que essa coleção é o fio – fino, bem fino esse fio – condutor das coisas que fazem a pessoa pensar (no inglês aqui cairia muito melhor, to realize é o verbo correto) que viveu para ver, fazer, ouvir, sentir uma enormidade de “coisas que não têm preço”. Mas pensem nisso num sentido bem atemporal e neutro. A paixão pelo sentido que as coisas trazem à vida veio antes de a publicidade matar algumas boas expressões. Nem eu consegui terminar esse post sem associar o final a uma merda de bandeira de cartão de crédito.

***
Nessa exata mesma linha, me ocorreu como é tocante quando Isaac Davis, o personagem de Woody Allen em Manhattan, termina fazendo uma lista de “why is life worth living?”, e entre pinturas, movimentos de sinfonias e obras literárias, ele diz: “Tracy’s face”.

20140303-102555.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s